Se você acompanha os famosos pelas redes sociais já deve ter notado que a nova moda é o uso das cintas abdominais durante os treinos. Acontece que esse assunto virou polêmica, pois alguns apoiam e outros são totalmente contra.

Então, nada melhor do que conversarmos com profissionais da área para entender como funciona, de fato, essas cintas modeladoras.

Primeiro lugar, é bom saber que o acessório é elástico e funciona pela compressão da região do abdome e dorso. “De modo geral, esta compressão ajuda a disfarçar as gordurinhas indesejadas durante o uso. Provocam também uma redução do inchaço local, fazendo uma redução de medidas momentânea”, explica Wendell Uguetto, membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e do corpo clínico do Hospital Israelita Albert Einstein.

Uguetto também conta que algumas cintas abdominais ajudam no reposicionamento postural durante a prática de esportes e não podem ser utilizadas por mais de duas horas.

Core Estabilizado

É ai que entra a grande polêmica. As celebridades têm usado as cintas abdominais no intuito de deixar a região do core (composta pelos músculos abdominais, lombar, pelve e quadril) mais estável para os treinos.

“O uso destas cintas durante a malhação tem seus benefícios ao melhorar a postura e fazer uma função parecida com o cinto lombar, que os alterofilistas e levantadores de peso usam, estabilizando e posicionando melhor a região do core”, conta Uguetto.

Portanto, de acordo com o profissional, o acessório auxilia na execução correta dos movimentos, já que aumenta a pressão intra-abdominal, desta forma, auxilia no momento do arranque principal do movimento, sem o risco de comprometer a técnica e ainda estabilizando todo o tronco na fase de maior força, que é quando podemos causar as lesões.

“O que é evidenciado também é que em exercícios com maior recrutamento dos músculos estabilizadores da região lombar, como o agachamento convencional, o profundo e o stiff, além do levantamento terra, é possível conseguir uma estabilização que possibilita uma maior concentração do movimento nos músculos solicitados. Desta forma, além de prevenir lesões o uso de cintas ainda por cima auxilia no desempenho”, acrescenta.

O Lado Oposto

Tudo sobre as cintas abdominais o lado opostoMesmo assim, há quem tenha suas ressalvas sobre o uso das cintas abdominais. “A utilização contínua do acessório enfraquece toda a estrutura do core. Isso porque, quando a pessoa usa a cinta, quem faz a força de contração é o próprio objeto, estimulando assim a redução do tônus muscular, o que causa a atrofia da musculatura que deveria estar ativa na produção de força”, alerta Leandro Pessoa Olivério, especialista em fisiologia do exercício e diretor técnico da LPO Assessoria Esportiva.

Durante o Cardiorrespiratório

Tudo sobre as cintas abdominais o que tem de bomAlém do treino de musculação, têm pessoas que usam as cintas abdominais durante a corrida ou bike, no intuito de esquentar a região e, assim, perder mais calorias.

“Isso é puro mito. O que ajuda a queimar calorias é o gasto energético da contração muscular durante o exercício e todas as reações químicas decorrente do mesmo. As pessoas confundem a desidratação, ou seja, a perda de líquidos com calorias queimadas. Temos que separar uma coisa da outra”, esclarece Olivério.

E o especialista ainda explica que um lutador, por exemplo, tem que perder peso rapidamente para fazer sua pesagem para sua próxima luta.

“Após a pesagem feita, em apenas um dia, ele recupera até 6kg do seu peso (pode ser até mais, ou menos, dependendo da categoria de peso que ele luta). Isso tudo é praticamente água. Os músculos e gordura dele estão praticamente todos ali, desde sua pesagem, até a hora da luta. Portanto, mantenha-se hidratado e foque no seu exercício”, ensina.

Na hora de Dormir

E não é só para malhar que algumas pessoas têm usado as cintas abdominais. Há quem coloque o acessório para dormir, também. Olivério afirma que não é recomendado o uso acima de 4 horas contínuas, devido à compressão que a cinta faz nos órgãos internos do tronco.

Tudo sobre as cintas abdominais na hora de dormir“Isso pode causar problemas de saúde como prisão de ventre, má digestão, falta de ar e em casos mais graves, a compressão pode levar a uma trombose de membros inferiores com consequências desastrosas se atingir uma veia chamada cava”, conta.

Portanto, meu querido leitor, podemos dizer que as cintas abdominais até podem ajudar, de vez em quando, no treinamento, mas isso se você for realizar algum exercício com peso muito alto.

O que Tem de Bom

Tudo sobre as cintas abdominais o que tem de bom1Além disso, o acessório ajuda a esconder as gordurinhas e a modelar o corpo. “Após a retirada da cinta, há uma modelagem temporária da cintura por diminuir o edema (inchaço) da região. Mas, algumas horas depois, o corpo volta ao seu formato normal”, alerta Uguetto.

Conversei também com Carlos Kopke, ortopedista e traumatologista do Centro de Qualidade de Vida (CQV), e ele fez uma lista dos benefícios da cinta abdominal. Veja só:

  • Combate e previne flacidez, celulites, estrias e gorduras;
  • Auxilia em períodos pós-operatórios;
  • Modela o corpo, permitindo o uso de looks que combinam com o seu estilo;
  • A compressão ativa a circulação sanguínea, evitando edemas;
  • Proporciona uma postura correta, fazendo com que a coluna fique ereta, evitando dores;
  • Encolher o estômago para que você coma menos calorias em geral;
  • Forçar seu corpo em uma nova forma, conformando-se à rigidez da cinta;
  • Melhorar a postura.

O que tem de Ruim

Tudo sobre as cintas abdominais o que tem de ruimO grande problema das cintas abdominais está no seu uso prolongado, contínuo e muito apertado. Afinal de contas, cintas demasiadamente apertadas podem comprimir as costelas, atrapalhando na sua abertura e dificultando na respiração.

“Cintas muito apertadas com uso por longos períodos podem reduzir o retorno venoso do sangue das pernas para a região abdominal, levando a vasinhos e varizes e, em casos mais severos, a até trombose venosa profunda”, alerta Uguetto.

E tem mais: o uso contínuo e prolongado pode causar uma atrofia (afundamento) da gordura abaixo da pele, o que leva a alterações estéticas indesejadas, como deformidade permanente das costelas.

Também é possível sentir formigamento, dor nas pernas e coágulos sanguíneos. “A lesão do nervo chamamos de meralgia parestesica, que é quando o nervo periférico em sua coxa é comprimido. Isso leva a formigamento, dormência e dor em suas pernas. É como colocar elásticos ao redor de suas coxas e apertá-los quando você se senta”, explica Kopke.

Palavra Final

A conclusão que tiro das cintas abdominais é que elas podem até ajudar na estabilização da região do core para quem irá fazer algum exercício pesado, como um agachamento, por exemplo.

Porém, acredito exatamente no que o Leandro Olivério me disse: “As pessoas criaram uma cultura do ‘tudo pra ontem’ ou ‘quero pra já’, ou seja, sempre irão buscar o que tem de novidade nessa filosofia do conquistar resultados sem seu próprio esforço”, afirma.

Ele continua: “O homem primitivo, lá dos tempos das cavernas, evoluiu muito até o homo sapiens de hoje, graças ao esforço do seu corpo, aliados à sua inteligência. Acredito que se tivessem usado cinta naquela época, estaríamos ainda aprendendo a sustentar a nossa postura ereta e elegante. Agora que conquistamos essa grande vitória na evolução do nosso corpo, parece que querem dar um passo atrás de milhares de anos na evolução”, pondera.

Agora é com você, meu amigo. Pense com cuidado e atenção sobre querer ou não fazer parte dessa moda.